sábado, 23 de agosto de 2008

Alfabetização do aluno Surdo

Alfabetização de Alunos Surdos

Para o desenvolvimento do processo de alfabetização com o surdo, há também diversidade metodológica.
Vamos sugerir alguns métodos !
Entre os métodos que se destacam estão: o global e o analítico-sintético.

Método Global
A aplicação do método global implica que o aluno apresente os seguintes
requisitos:
a) a criança surda deve ser atendida em idade precoce, ou seja, ter atendimento
educacional ou clínico , logo que seja detectada a perda auditiva;
b) logo que seja detectada a perda, haja indicação do aparelho de amplificação sonora
individual adequado e, conseqüentemente, a estimulação dos resíduos auditivos;
c) a criança deverá passar por um período pré-escolar onde desenvolverá: a aquisição de linguagem em nível de recepção e emissão oral do Português e/ou
da utilização da Língua Brasileira de Sinais;
o treinamento auditivo;
as funções e habilidades de coordenação viso-motora global;
coordenação motora fina;
percepção figura-fundo;
constância perceptual;
posição espacial.
e) a criança deverá vir de um ambiente que lhe proporcione experiências
variadas.

Para a elaboração de textos com os alunos, parte-se de centros de interesse da
faixa etária da criança, constituídos em unidades que formarão um todo e tendo
como aspectos relevantes, a seleção do léxico e das estruturas lingüísticas, de
forma simples, de acordo com o nível de linguagem dos alunos a que se destinam.
Tem-se, por objetivo primordial, das condições para que os alunos adquiram o
vocabulário básico da vida diária.

Material
O material a ser utilizado no processo de alfabetização deverá constar de:

a) Textos produzidos pelos alunos e professores que formam um todo,
subdivididos em cartelas.
b) Cartazes que contêm os textos em letras de imprensa e ilustração feita pelos
alunos;
c) Fichas com as frases dos textos;
d) Fichas com o vocabulário, formando um dicionário visual;
e) Material de Análise Silábica

Como Explorar Cada Texto
1º passo: Exploração do real
Levar o aluno a observar, por exemplo, vários tipos de construção de casas
(sobrado, casa térrea, prédio), seus cômodos, os móveis e utensílios que fazem
parte delas.

2º passo: Dramatização da situação em classe.
Montagem de uma casa em papelão, com todas as divisões, móveis e
bonequinhos que representarão os personagens. A montagem deverá ser feita
pelos alunos sob a orientação do professor. Esse material servirá para a
exploração de vários textos a partir da vivência dos alunos.

3º passo: Apresentação de cartaz com o primeiro texto, quando será feita a
leitura oral ou LIBRAS pelo professor e a seguir pelos alunos.

4º passo: Identificação da(s) frase(s) do texto.

5º passo: Dramatização.
Todos os textos, então, deverão ser explorados no concreto e vivênciados pelos
alunos. Ex.: Dramatizar o verbo “pular”, no imperativo, mandando que cada um
cumpra a ordem dada. Se o aluno não compreender, o professor deverá ser o
modelo.
Utilizar o nome de um animal (como o sapo) que possa, também, praticar a
ação de “pular”.

6º passo: Análise das fichas.
Se , por exemplo, um aluno contar que seu amigo Paulo pula a janela de sua
casa enquanto brinca, todos receberão jogos de fichas, contendo a primeira frase
do texto. Por exemplo: O PAULO PULA A JANELA. A interpretação do texto será
orientada pelo professor, através de perguntas:

P. Quem pula a janela?
R. O Paulo.
P. O que o Paulo faz?
Q. Pula a janela.
P. O que o Paulo pula?
R. A janela.

7º passo: Ilustração do cartaz.
A ilustração será realizada por todos os alunos da classe e o cartaz deverá
ficar exposto na sala, enquanto durar o trabalho com a unidade.

8º passo: Entrega do texto ao aluno, em letra de imprensa, sem ilustrações, para que haja:
· leitura pelo aluno;
· interpretação oral e/ou por meio de sinais;
· interpretação escrita;
· ilustração do texto pelo aluno.

9º passo: Realização de exercícios gráficos para fixação das estruturas frasais e do vocabulário,
como por exemplo:
· ligar a letra de imprensa à letra cursiva;
· desenhar as pessoas, os objetos, bem como as ações referentes às frases do texto;
· ligar as palavras aos desenhos;
· riscar a palavra que o professor falar;
· ligar palavras iguais;
· ligar fases aos desenhos;
· ordenar palavras, formando frases.

10º passo: Desenvolvimento de atividades de fixação e de compreensão:
· cópia dirigida
· ditado oral ou em LIBRAS
· auto-ditado (ver a figura e escrever o nome - ou frase correspondente)
Todo material gráfico apresentado aos alunos deverá ser confeccionado em
letra de imprensa.

Método Analítico-Sintético

Esse método caracteriza-se por explorar o todo significativo e as partes
simultaneamente.
Dentro desse método, o professor poderá partir:
a) da palavra, passando para a frase, formando um texto, retirando novamente a
palavra para decompô-la em sílabas;
b) da frase, retirando a palavra para chegar à sílaba;
c) da estória, retirando a palavra-chave para depois destacar a sílaba.

Esse método destina-se a:

- alunos que entram tardiamente na escola;
- crianças que apresentam um nível pobre de recepção e emissão, muitas vezes sem um trabalho anterior em treinamento auditivo;

As vantagens que esse método apresenta para esse tipo de aluno são:
- propicia à criança ser o sujeito de seu próprio conhecimento;
- facilita a aquisição de linguagem a criança que possuem um nível muito pobre
nesta área e passam a se apoiar na pista gráfica, além da leitura orofacial e/ou da
Língua Brasileira de Sinais;
- facilita a ampliação do léxico, bem como das estruturas da língua, à medida que
o aluno reconhece palavras, destaca sílabas, forma novos vocábulos, novas
frases, chegando a organizar uma estória com começo, meio e fim.

Material

Para a aplicação do método analítico-sintético deve haver:
a) Textos com começo, meio e fim, visando a introdução das diversas famílias
silábicas. Esses textos serão mais simples em termos de vocabulário e estruturas
lingüísticas, no início da alfabetização, enriquecendo-se gradativamente;
b) Exercícios de compreensão dos textos;
c) Exercícios para fixação das séries silábicas.
Observação: Todo material gráfico apresentado aos alunos, deverá ser confeccionado em letra
de imprensa.

Como Explorar Cada Série Silábica
Exemplo: série silábica: ma - mo - mu - me - mi.
Palavra chave: macaco.
Exploração da estória, através de dramatização ou passeios - (sugestão - visita
ao jardim zoológico).
· Apresentação do texto, na lousa, em letra de imprensa. Através de perguntas, o professor
induzirá a classe a montar um texto.
· Leitura oral e/ou sinalizada pelo professor.
· Leitura oral e/ou sinalizada pelos alunos.
· Apresentação do cartaz da palavra-chave que deverá ficar exposto na classe.
· Destaque da palavra-chave, (que poderá ser um substantivo concreto ou um verbo
dramatizável) no texto, pelo professor.
· Destaque da palavra-chave, separação das sílabas a marcação do ritmo vocabular.
· Formação, na lousa, de toda a série silábica.
· Solicitação para que cada aluno circunde, no texto, um elemento da série silábica.
· Solicitação aos alunos para que evoquem e emitam e/ou sinalizem palavras com a série
silábica apresentada na lousa. Exploração do significado do vocabulário apresentado.
· Leitura das palavras, visando a emissão oral correta dos fonemas.
· Formação oral de frases com algumas das palavras apresentadas pelos alunos.
· Entrega do texto em letra de imprensa aos alunos:
a) leitura do texto;
b) destaque da palavra-chave;
c) destaque das sílabas, circulando-as;
d) ilustração do texto;
e) interpretação oral e/ou sinalizada;

· Compreensão escrita do texto.
Os exercícios deverão ser mais simples no início,graduando-se as dificuldades. Por exemplo:
completar frases;
ligar frases; ordenar frases;
riscar o quadrado certo escrever sim ou não;
escrever certo ou errado;
· Exercícios para fixação das sílabas:
circundar sílabas;
ligar palavras (letra de imprensa à cursiva);
escrever o nome correspondente a uma gravura ou desenho;
desenhar em correspondência às palavras apresentadas;
ligar o desenho ao nome;
separar sílabas;
formar palavras com as sílabas apresentadas;
completar palavras com as sílabas trabalhadas;
etc...
· Apresentação de textos suplementares sobre a mesma série silábica. Desenvolver os
mesmos passos descritos para o texto de apresentação da série silábica.

Observações:
· Antes que o professor inicie o trabalho com qualquer série silábica, deverá fazer o
levantamento do vocabulário da realidade e do interesse dos alunos, elaborando os textos
que deverão obedecer ao estágio lingüístico da classe.

Fonte:Série Educação Especial - Deficiencia Auditiva MEC

9 comentários:

lucia pecego disse...

Jacki,
Dei um sorriso muito gostoso quando abri seu blog! Surpresa boa! Nos meus recém feitos 48 anos guardo poucas pessoas especiais em meu coração. Você SABE que é uma delas, né!?! Sua competência e seu jeito de ser me cativaram a muito tempo. Talvez em 2009 não tenhamos um contato mais frequente, mas da minha parte você estará para sempre comigo. Admiração e carinho nunca faltarão por você. Adorei seu blog!!!
Com ternura, Lucia

Cristina disse...

Oiiiii mostrei este material a uma amiga e ela pediu p/te agradecer, ela ira usar em aulas dadas em uma Igreja, e eu só estou imprimindo e arquivando p/qdo chegar minha vez.
Bjs
Cris/São Vicente.

Profe Márcia disse...

Olá, adorei chegar ao seu blog, ainda estou explorando ele, mas o material que tenho lido tem enriquecido minha prática. Muito bom compartilhar conhecimentos com quem adora ensinar.
Tenho um blog e também adoro minha profissão, deixo aqui um convite para que você me faça uma visitinha. Te adicionei nos meus favoritos, assim fica mais fácil voltar.
Beijocas
Márcia - Blog Espaço da Criança

adverilda disse...

olá, se vc acredita em Deus, vc é um milagre de DEUS p mim estava precisando de ajuda p alfabetizar um surdo de 9 anos, e aqui encontro tudo isso. Obrigada gostaria de poder contar com vc para muito mais.
Deus te abençoe.
Ahhh estarei sempre por aqui, posso???

Patrícia disse...

Olá Jacki, encontrei seu blog porque tenho tido contato com alguns surdos, uns frequentam escola mas estão totalmente perdidos, tem uma surda que sabe libras e está na sexta série, mas não tem interprete o tempo todo na escola,ela está com muitas dificuldades. Quero muito ajudá-la e ainda não sei como.Se puder me ajudar agradeceira muito.
bjs Patrícia

chiquinho disse...

Adorei suas dicas,pois estou trabalhando com alunos surdos e não são alfabetizados.
Não tinha ideia de como trabalhar com eles,mas agora suas dicas abriram minha mente e imaginação.
Adorei o seu blog!
09 de fevereiro de 2011.

Luciana Telles disse...

Ótimo texto sobre Alfabetização de surdos! Material claro, resumido, mas que me deu ideias para novas atividades. Obrigada!!
Amo meu trabalho. E sou grata a Deus qdo encontro pessoas, como vc, que compartilham conhecimentos.... Deus te abençoe.

Super Poderosa disse...

Olá adorei seu blog, queria mais informações estou fazendo um trabalho de deficiencia auditiva para a faculdade de pedagogia, e queria saber se vc tem algum material para eu ler sobre crianças que nao sabem livras e nem o portugue e sao deficientes auditivas.

grata

\simeia

email simeiab@gmail.com

Super Poderosa disse...

Olá adorei seu blog, queria mais informações estou fazendo um trabalho de deficiencia auditiva para a faculdade de pedagogia, e queria saber se vc tem algum material para eu ler sobre crianças que nao sabem livras e nem o portugue e sao deficientes auditivas.

grata

\simeia

email simeiab@gmail.com